História

História das Florinhas da Rua

A Associação Protectora das Florinhas da Rua intervém em prol dos Direitos das Crianças e Jovens

1917 – Nasceram as “florinhas da rua”;393425_222015907870422_1241748327_n

A Associação Protectora das Florinhas da Rua foi criada em Lisboa, pelo Arcebispo D. João Envagelista de Lima Vidal com o objectivo de proteger crianças em perigo e apoiar famílias carenciadas e incapazes de educarem devidamente os filhos.

1926 – Condessa de Rilvas – Presidente do Conselho de Administração da Obra das “florinhas da rua”

1974 – Funcionava como colégio para crianças da alta sociedade, estando as funcionárias descontentes pelo desvio da matiz.

1983 – Foi proposto encerramento da Instituição, porém sem efeito. Ficou como Directora a Senhora D. Judite Martins Alves.

1985 – Foi celebrado acordo com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

2010 – Instituição Particular de Solidariedade Social, com valência de Lar de Infância e Juventude, com acordo de cooperação com o Instituto de Segurança Social, para 25 crianças e jovens dos 3 aos 18 anos.

 

Conscientes dos escassos meios e grandes carências que a sociedade portuguesa disponibilizava para a protecção das crianças, os fundadores das Florinhas desenvolveram este projecto que caminha para quase 100 anos de existência.

 

Desde 1917 que a Associação Protectora das Florinhas da Rua tem como lema Cuidar e Crescer:

 

Tentamos promover de forma integrada o bem estar e desenvolvimento das crianças e jovens deste Lar, procurando a reintegração na família, cultivando a construção de um futuro melhor.